Introdução à Psicologia

Tema 1.1 Introdução à Psicologia

 

Objectivo: Explicar o objecto de estudo da psicologia

1. ACTIVIDADES

a) Confrontar as ideias que cada um tem sobre a psicologia e o seu âmbito. Elaborar um pequeno texto a partir, por exemplo, de um brainstorming.

b) Consultar revistas, jornais, Internet… procurando artigos que pareçam ser do campo da psicologia. Tirar conclusões.

c) Entrevistar professores da escola, de diferentes áreas disciplinares, sobre as relações da sua ciência com a psicologia. Elaborar um poster.

d) Analisar o texto apresentado (sobre a psicologia) e responder às suas questões.

1. Identificar as características da ciência

2. Identificar os objectivos da psicologia

e) Construir um texto sobre as principais questões desta unidade.

f) Elaborar uma síntese sobre as principais ideias trabalhadas nesta unidade. Elaborar uma síntese global da turma ilustrando as ideias com os meios necessários. Construir, por exemplo, um poster.

Texto

Sobre a psicologia

Por vezes, a psicologia é considerada um domínio que incide nas vidas íntimas e secretas dos indivíduos. Por que razão a Maria detesta a mãe e o Jorge é tão tímido com as raparigas? Questões deste género, todavia, não constituem o principal interesse da psicologia. Existe, é claro, um ramo aplicado desta ciência que trata de vários problemas de adaptação, mas as questões fundamentais que a psicologia suscita são de um tipo mais geral. O seu objectivo não é descrever as características de determinado indivíduo, mas encontrar os factos comuns a toda a humanidade.

A razão é simples. A psicologia é uma ciência e, como todas as outras ciências, procura os princípios gerais: um único acontecimento em si mesmo pouco significa; o que conta é o que qualquer acontecimento, ou objecto ou pessoa, tem em comum com outros. Finalmente, a psicologia, como as demais ciências, espera fazer o percurso inverso para compreender o acontecimento individual. Tenta descobrir, digamos, certos princípios gerais do conflito do adolescente ou das relações mãe-filha para explicar a razão por que o Jorge é tão tímido com as raparigas e a Maria é tão áspera com a mãe. Uma vez obtidos esses conhecimentos, eles podem ter aplicações práticas: ajudar o aconselhamento e a orientação e, talvez, a realizar mudanças desejáveis. Mas, pelo menos no início, a preocupação essencial da ciência é a descoberta de princípios gerais.

Haverá algum domínio cujo interesse essencial resida nas pessoas individuais, que se preocupe com um Jorge e uma Maria em nada semelhantes a alguém que alguma vez tenha vivido ou venha a viver? Esse domínio é a literatura. Os grandes romancistas e dramaturgos deram-nos retratos de indivíduos activos e vivos existentes em determinado tempo e lugar. Nada existe de abstracto e geral na angústia de Hamlet ou na ambição criminosa de Macbeth. São indivíduos concretos, particulares, com amores e medos especiais, peculiarmente seus. Mas a partir destas peculiaridades, Shakespeare dá-nos uma visão do que é comum a toda a humanidade, o que Hamlet e Macbeth têm em comum com todos nós. A ciência e a arte têm muito a dizer sobre a natureza humana, mas tomam direcções opostas. A ciência tenta descobrir princípios gerais e aplica-os, em seguida, ao caso individual. A arte concentra-se no caso particular e utiliza-o, depois, para ilustrar o que é universal em todos nós.

Adaptado de H. Gleitman, Psicologia. 1993

~ por Cátia em Fevereiro 10, 2010.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: